O julgamento da ADPF 153 pelo STF à luz da filosofia da memória política: narrar os fatos, juntar os trapos e lembrar para não esquecer

Autores

  • Nelson Camatta Moreira FDV- FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA
  • Raoni Vieira Gomes FDV - Faculdade de Direito de Vitória

DOI:

https://doi.org/10.9732/rbep.v119i0.638

Resumo

O presente artigo pretende formular análise crítica sobre o julgamento da ADPF 153 pelo STF, dando ênfase aos votos do Ministro Relator e do Ministro que abriu a divergência. Sob a perspectiva da filosofia política da memória buscou-se apresentar a relevância da narrativa para reconstrução de um passado que teima em não passar. Com ênfase na função do narrador, formulou-se uma crítica à anistia mantida no julgamento examinado e suas consequências para contemporaneidade brasileira. Apresenta-se o artigo como uma tentativa de formular um aviso de incêncio sobre a possibilidade de retorno do arbítrio.

Biografia do Autor

Nelson Camatta Moreira, FDV- FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA

Pós-doutor em Direito pela Universidad de Sevilla. Pós-doutor em Direito em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Doutor em Direito pela Unisinos, com estágio anual na Universidade de Coimbra. Mestre em Direito pela Unisinos. Professor do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu (doutorado e mestrado) e da graduação em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV-ES). Líder do Grupo de Pesquisa CNPq Teoria Crítica do Constitucionalismo, da FDV. Líder do Grupo de Estudos Direito e Psicanálise (FDV-ES/Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória). Profesor Invitado, adjunto al Programa Academic Visitor de la Facultad de Derecho de la Universidad de Sevilla. Miembro del Grupo de Investigación Antagónicos de la Facultad de Derecho de la Universidad de Sevilla.  Membro Honorário e Vice-presidente da Rede Brasileira Direito e Literatura (RDL). Advogado. E-mail: nelsoncmoreira@hotmail.com

Raoni Vieira Gomes, FDV - Faculdade de Direito de Vitória

Advogado. Especialista em Ciências Criminais pela FDV, Mestrando em Direitos e Garantias Fundamentais pela FDV.

Referências

ARENDT, Hannah. Verdade e Política. Entre o Passado e o Futuro. 1968.

AQUINO, João Emiliano Fortaleza de. Primo Levi, leitor de Freud: O falseamento das lembranças e o testemunho. Cadernos Benjaminianos, [S.l.], n. 7, p. 115-131, dez. 2013. ISSN 2179-8478. Disponível em: <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/cadernosbenjaminianos/article/view/6049/5229>. Acesso em: 13 nov. 2018

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 153. Brasília, 29 de abril de 2010.

BENJAMIN, Walter. Experiência e Pobreza. In: Walter Benjamin o Anjo da História. Org. e trad. João Barrento. 2. ed. 1. reimp. Belo Horizonte: Autência Editora, 2016. P. 85-90

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito da História. In: Walter Benjamin o Anjo da História. Org. e trad. João Barrento. 2. ed. 1. reimp. Belo Horizonte: Autência Editora, 2016. P. 09-20

BENJAMIN, Walter. “O Narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. Ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

GAGNEBIN, Jean Marie. Memória, história, testemunho. In: Memória e (Res)sentimento indagações sobre uma questão sensível. Orgs. Stella Bresciani e Márcia Naxara. 2. ed. Campinas: Editora Unicamp, 2004. P. 83-92.

GAGNEBIN, Jean Marie. Limiar, aura e rememoração. Ensaios sobre Walter Benjamin. São Paulo: Editora 34, 2014.

HARTMANN, Sara. Walter Benjamin e Paul Ricoeur: narração e experiência por vir. Cadernos Benjaminianos, [S.l.], n. 9, p. 13-23, out. 2015. Disponível em: <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/cadernosbenjaminianos/article/view/8598/8495>. Acesso em: 12 nov. 2018

LOWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio. Uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2014.

MOREIRA, Nelson Camatta e DE PAULA, Rodrigo Francisco. Identidade e memória no constitucionalismo brasileiro. O que é um pai, hoje?: Reflexões nas fronteiras entre direito e psicanálise. Org. Vescovi, Renata Conde. Vitória: FDV publicações, 2016. p. 157.

OLIVEIRA, Antonio Leal de, GOMES, Raoni Vieira. Seletividade racial no sistema penal brasileiro: apontamentos para a reconstrução da memória racial nacional a partir das teses de Walter Benjamin. Revista Brasileira de Ciências Criminais, vol. 135. São Paulo: RT, 2017, p. 73.

OLIVEIRA, Antonio Leal de. O direito à memória como um dos fundamentos da dignidade humana: memória política e justiça para as vítimas do progresso. Tese (doutorado) em direito. PUC-RJ, 312 p.

OST, François. Contar a Lei, as fontes do imaginário jurídico. São Leopoldo – RS: Editoria Unisinos, 2007.

MATE, Reyes. Meia-noite na história. Comentários às teses de Walter Benjamin sobre o conceito de história. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2011.

RICOEUR, Paul. Memória, História, Esquecimento. In “Haunting Memories? History in Europe after Authoritarianism”. 8 de Março de 2003, Budapeste, Hungria.

SELIGMANN-SILVA, Márcio, "Anistia e (in)justiça no Brasil: o dever de justiça e a impunidade." In: Revista Literatura e Autoritarismo: memórias da repressão, n. 9, 2006. Disponível em: < http://coralx.ufsm.br/grpesqla/revista/num09/art_02.php>. Acesso em: 26 de junho de 2018.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Auschiwitz: história e memória. In: Pro-Posições, vol. 1, n. 5. 78-87.

Downloads

Publicado

2019-11-22

Edição

Seção

Artigos